Exportação direta e indireta: como escolher o melhor caminho?

exportação direta e indireta
4 minutos para ler
Powered by Rock Convert

A exportação consiste na comercialização de produtos, serviços e tecnologia a outros países, sendo que ela ocorre com a concretização da venda e não com a saída efetiva do bem. Como se trata de um campo bastante amplo e com várias oportunidades para quem deseja expandir seus negócios, divide-se na exportação direta e indireta.

Neste post, explicamos quais são as vantagens e desvantagens de cada uma dessas modalidades, bem como, o que é o regime de drawback e como ele beneficia seu negócio nesse processo. Confira a leitura!

Como funciona a exportação direta?

Nessa modalidade, inexiste um intermediário no processo de exportação, ou seja, a própria empresa é responsável pela venda externa e o envio dos itens. Esse é o tipo mais comum utilizado no Brasil e é recomendado para quem deseja ter controle total da operação. Veja, a seguir, as suas principais vantagens e desvantagens.

Vantagens

Confira os benefícios do modelo:

  • menos ganhos, já que a própria empresa executará a exportação;
  • maior chance de lucro ao longo do tempo;
  • mais autonomia para contratar parceiros e buscar novos mercados.
  • incentivos governamentais

Desvantagens

Veja, a seguir, as desvantagens relacionadas:

  • o empreendedor precisa ter um planejamento muito bem elaborado;
  • o marketing deve ser bem elaborado para atingir o mercado certo;
  • a logística deve estar preparada para atender à demanda.
  • O empreendedor precisa conhecer muito bem a legislação

Qual o funcionamento da exportação indireta?

A exportação indireta é feita com o intermédio de outra empresa, possibilitando a venda de produtos, serviços ou tecnologia a empresas do mercado interno nacional. Aqui, você não realiza a exportação de forma direta, mas subcontrata outra organização que realizará o envio ao exterior. Algumas organizações que atuam como intermediárias são:

  • Despachantes Aduaneiros no processo da exportação;
  • firma comercial — vende tanto para o mercado interno quanto para o externo;
  • trading company;
  • consórcio de exportadores

Esse tipo de exportação também conta com incentivos governamentais, como o Programa de Financiamento às Exportações (PROEX), que tem duas modalidades:

  • financiamento: o Tesouro Nacional financia a atividade de empresas com faturamento bruto anual de até R$ 600 milhões;
  • equalização: prevê financiamento pelas instituições financeiras no país e no exterior.

Outro incentivo é o Seguro de Crédito à Exportação (SCE), que garante ao exportador os recebimentos oriundos das vendas ao exterior, trazendo mais segurança nas entradas. Entenda seus benefícios e as desvantagens abaixo.

Vantagens

A seguir, confira as vantagens relacionadas:

  • maior economia tributária, já que há incentivos fiscais, como a não incidência do ICMS e a suspensão do IPI, do PIS e da COFINS;
  • mais praticidade e simplicidade, já que não há necessidade de adquirir conhecimento profundo e pessoal para a exportação;
  • maior segurança, pois você lida com empresas que já têm expertise na área.

Desvantagens

Confira quais são as desvantagens:

  • menos oportunidades para agregar conhecimento sobre o mercado e o processo de exportação;
  • menor retorno financeiro.

Qual é a diferença desses conceitos para o drawback?

A diferença entre as exportações diretas e indiretas e Drawback é que este não é um tipo de importação, mas um regime aduaneiro oferecido pelo governo que pode ser aproveitado pelas empresas que realizam importações de matéria prima ou de determinado tipo de bem, que será destinado a compor um bem final que será exportado.

Nele ocorre a suspensão ou isenção dos tributos que incidem sobre as mercadorias importadas que tenham o objetivo de compor esses produtos finais. Aqui, é necessário que o bem importado agregue valor ao novo produto a ser gerado. Esse regime ainda se divide em três modalidades:

  • isenção: há isenção de tributos na importação de insumos usados na produção de bens que serão exportados;
  • suspensão: interrupção temporária da cobrança de tributos incidentes sobre mercadorias importadas que serão usadas para produzir bens exportáveis;
  • restituição: devolução dos valores pagos na importação quando a empresa não deseja mais continuar no regime.

A exportação direta e indireta tem suas próprias vantagens e desvantagens, o que torna necessário o apoio de especialistas no assunto para identificar o tipo mais adequado para seu negócio, bem como para orientá-lo sobre o funcionamento de regimes aduaneiros e incentivos fiscais.

O nosso post foi útil? Para que você se aprofunde mais no assunto e conheça mais sobre o drawback e suas regras, leia nosso artigo que trata do tema!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-